Depois de ter sido soterrada nos anos idos de 1970, a Quadra da Cavalhada está sendo recuperada, resgatando um fato histórico que começou em meados da década de 1930 por iniciativa de jovens esportistas que não tinham onde praticar seus dotes atléticos. Por influência de Déa Costa e sob o incentivo de seu pai Joaquim Gomes da Costa, um grupo de rapazes e moças começaram a promover festas, teatros, rifas e bailes para arrecadar fundos e adquirir o material necessário para que fosse possível construir uma quadra esportiva na antiga Cavalhada Velha  com o  aval do Prefeito Joubert Guerra, que contribuiria com a mão de obra.  Após muito trabalho para a arrecadação, o grupo conseguiu numerário suficiente para que a obra fosse realizada participando desta empreita os jovens Gilson Eulálio de Souza, Rony Pimenta, Alencar Chumbinho, José Coquinho, Dirceu Vasconcelos Horta, Fausto Abreu (Pundengo), Benedito Ardame de Carvalho e as garotas Déa Costa, Marília Almeida, Édila Meira, Neném Horta, Leda Durães Neves e Elvira Coelho que, também, formariam os primeiros times de voleibol da época.

No dia da inauguração foi realizada uma partida entre o time feminino de vôlei com seu belo uniforme branco de saias plissadas contra o já famoso Minas Tennis Clube de BH e depois houve a partida entre os rapazes contra o 3° BCM de Boanerges Meira, Jair Ferreira, Otílio Casaca, Geraldo Castro, Egas Brígido, Souza e Romário com muita comemoração e apresentação da Banda de Música e festiva platéia. Os treinos e os jogos eram feitos à noite e alguém tinha que subir nos postes para acender as luzes que iluminavam a quadra, mas durante os treinos as moças só podiam ficar até que o sino da cadeia batesse o “silêncio” às 21:00 hs e eram conduzidas até as suas casas pelos rapazes. A garagem da Oficina Chevrolet era usada como vestiário pelos rapazes por permissão de “Seu Costa” e as moças já vinham uniformizadas de casa para os treinos e jogos. Muitos atletas também participariam depois dos treinos e dos jogos na quadra como Jesus Meira, Nonô Rocha, João Brandão Costa, Jofre Eulálio, Augusto Cezar dentre muitos outros e garotas Nomita Miranda, Iolenita Pereira, Catharina Spangler, Arlete Orlandi, Lucy Neves, Laurita Faria e outras entusiastas do voleibol.

Após a construção da Praça de Esportes em 1947, cujo projeto foi decisivo por influência de “Seu Costa”, os rapazes passaram a fazer seus jogos e campeonatos de vôlei nas belas quadras e piscinas da famosa “praça” e a Quadra da Cavalhada foi apossada nos anos 1950 pelos meninos que jogavam futebol de salão incentivados por Caetano Mascarenhas e revelariam grandes craques do futebol de campo com Zé Luiz Rocha, Fernando Rocha, Coquinho, Argel, Denizar, Aristarco, Romeu, etc que logo seriam grandes craques dos times de futebol da cidade.

Hoje, emergindo de seu túmulo inglório, a Quadra da Cavalhada será mais um fator de lazer e práticas esportivas para os jovens, mas devemos uma grande homenagem a quem a idealizou com uma placa de bronze com os nomes dos primeiros e audazes atletas e de seus incentivadores e que seja afixada em um pedestal e permaneça como uma láurea àqueles jovens no quadro da memória de todos nós.

William Spangler